sexta-feira, 20 de novembro de 2015

Quilombo dos Palmares, um legado panafricanista para os negros e negras do século XXI

"...o exercício de pensar, comum a todo ser inteligente, deve ser valorizado primeiro pelo que o realiza. É certo: nada se leva da vida a não ser a memória de nossas ações e, se deixa a energia do que produziu nos outros com quem se interagiu. É certo também que somos imortalizados pelo nosso pensamento. Saber pensar e ousar dizer o que pensa tem um preço. Mas há pessoas que não se vendem."
Patrice Lumumba

Aos milhões, e vivenciando os mesmos dramas do passado que assola o povo negro  nestas terras brasileiras, chegamos em mais um vinte de novembro.

Aos milhões, chegamos em mais um dia nacional da consciência negra com a necessidade de rememorar e refletir a nossa trajetória a luz da  história vivenciada e contada por nós mesmos, objetivando entender a essência do eterno legado deixado para nós por Aqualtune, Dandara,  Aquataluxe, Akotirene, Ganga Zumba, Zumbi e outros.

Chegamos, neste tempo, aos milhões, ao contratário dos homens e mulheres do Quilombo dos Palmares, sem saber extamente quem nós somos enquanto povo preto. Chegamos, neste tempo, sem saber exatamente onde nós estamos enquanto povo. Chegamos, neste tempo, sem saber extamente para onde vamos enquanto povo preto.

“Ninguém no mundo, ninguém na história, conseguiu sua liberdade apelando para o senso moral das pessoas que o oprimiam.”
Assata Shakur


Se os palmarinos e palmarianas estivessem aqui, neste tempo,  conosco, contra o que lutariam hoje? Se tivessem vivos, quais seriam os objetivos de suas lutas? Onde será que iriam querer  chegar junto com o seu povo?! Como será que iriam  querer alcançar os seus própositos?

Aos milhões, aqui estamos, no Brasil do ano de 2015, num dia de celebração  (celebramos o que mesmo?!) dependentes do sistema político, jurídico e econômico do homem branco. No Brasil de 2015, aos milhões, somos aculturados, assimilados, alienados e subjugados. No Brasil do tempo presente, somos uma comunidade sem autonomia política e econômica. Somos uma comunidade de pessoas que não possui estrutura própria para dar respostas aos  seus próprios problemas básicos.


"A confiança de nossa raça no progresso e realizações dos outros na expectativa de obter simpatia, justiça e direitos é como depender de uma bengala quebrada, onde o apoiar-se nela significará uma eventual queda no chão”

Marcus Garvey


Contra o que nossas guerreiros e guerreiras ancestrais estariam lutando?! Será que faria igual a presente geração  que implora ao “Deus” estado para trazer a “salvação” para seu povo?! Será que eles estariam aceitando vender a liberdade do seu povo em detrimento de participação em espaços políticos sem nenhuma capacidade de resolução de problemais reais?

Contra o que eles estariam lutando?! Qual objetivo estariam buscando? O que estariam realizando de grandioso para os seus ?! Eles estariam lutando por políticas públicas na área de educação ou estariam criando quilombos educacionais?! Eles estariam implorando por empregos ou estariam desenvolvendo uma linha de autonomia econômica?! Eles estariam exigindo maior participação social dos negros no mundo branco ou eles estariam planejando uma independência territorial para uma geração vindoura desfrutar ?! Estariam implorando a quem nos mata uma melhor política de saúde ou estariam organizando profissionais  para construir instituições para solucionar problemas dos seus?

Será que os palmarinos e palmarinas estariam celebrando avanços e conquistas do nosso povo ao se deparar com as nossas comunidades infectadas com as drogas e infestadas com as armas do homem branco?! Será que eles e elas estariam esperançosos e confiantes no futuro ao se deparar com uma parte significativa da juventude do seu povo encarcerada, sendo números cada vez mais expressivos das estátisticas de homicídios  e direcionada para a cultura da morte e da auto-destruição?!

Será que nossos ancestrais combativos estariam hoje celebrando o intenso crescimento das mortes das  mulheres negras? Estariam celebrando a reelaboração do racismo ? Estariam celebrando o total controle  das nossas vidas pelo supremacismo branco na saúde, na educação, na religião, na política, na economia, na cultura e onde couber dominação ou estariam rejeitando este tipo de autoritarismo para construir uma sociedade negra autônoma e livre para os seus?!

“O sistema não falha com aqueles para quem ele não foi feito para servir”

W. E. Du Bois


Dandara, Aqualtune, Aquataluxe, estariam celebrando os graves problemas espirituais e psicologicos oriundos desta falsa política de diversidade e desta ilusória política de igualdade ou estariam construindo um novo Quilombo dos Palmares para trazer as respostas para os problemas dos negros e negras do século XXI?!

Pelo que eles e elas lutariam? Pelo que nós estamos lutando hoje? Quem era os palmarinos e palmarinas no brasil do século XVI? Quem somos nós negros e negras no Brasil do ´seculo XXI? Até onde eles chegaram? Até onde podemos chegar?!

Aos milhões estamos aqui, neste tempo, sem um próposito e sem um destino comum. No entanto, ao milhões, na construção panafricanista, encontraremos o caminho da liberdade.

“Que a vida não parou
A vida não pára aqui
A luta não acabou
E nem acabará
Só quando a liberdade raiar... yeah!
Só quando a liberdade raiar..

Edson Gomes

Um comentário:

Joana Teixeira disse...

Bem interessante essa lista. Fiquei curiosa com alguns que vou tentra assistir. Sem dúvida que a consciência negra é importante para evoluirmos como civilização!
http://demonstre.com/cinco-filmes-negros-com-orgulho-dia-da-conscincia-negra/
Abraços e até ao próximo post!